"Tem Pomada Na Farmácia" Por Miguel Madeira

Em março de 2002 ainda iniciante no mundo dos vinhos me ocorreu a maior surpresa que Baco
poderia me proporcionar. Trabalhando com vinhos desde novembro de 2001 no Grupo Pão de
Açúcar, mais precisamente na loja São João, jamais poderia imaginar que no fundo de um
depósito da loja junto com várias garrafas de vinhos sem condições de venda, seja por
problemas de rotulagem ou cápsula danificada, estaria o melhor vinho que já degustei até
hoje.


A Páscoa estava se aproximando e resolvi dar uma olhada naquelas garrafas menosprezadas e lá estava um Esporão D.O.C. Reserva 1997 - Tinto, que estava sem o seu rótulo principal.
Imediatamente peguei a garrafa e a levei até o Gerente da loja e lhe expliquei o que
ocorria, sugerindo um preço camarada para que eu pudesse arrematar aquele exemplar, mesmo
sabendo que poderia estar adquirindo um vinho oxidado.


O gerente também incrédulo que ali poderia ter algo bebível principalmente devido o tempo
que aquela garrafa já estava em pé, me fez um preço que nem o Coelho da Páscoa faria.
Pois bem, por motivos que só Baco pode explicar ainda levei quase um ano para abrir aquele
exemplar, foi em Fevereiro de 2003 na casa de um grande amigo.


Naquela noite precedeu uma desconfiança de ambas as partes, até o momento crucial em que um eficaz "Scrulpull" fez o seu serviço com total eficiência, nos revelando que Deus, além de
ser brasileiro é um enófilo de plantão.


A rolha estava perfeita, havia uma grande quantidade de borra no fundo da garrafa, modestamente bem decantada. Ao girar delicadamente o decanter, o ambiente ficou impregnado
pelo bouquet que persistiu até a última taça.


Bem, e o vinho? Complexo, robusto, macio, de persistência interminável, grande vinho, uma
pomada que deveria estar em todas as farmácias (lê-se adegas) dos bons apreciadores de
vinho.

Voltar